sábado, 3 de agosto de 2019

HTML - A estrutura da web

O HTML é uma linguagem de marcação, e mesmo após vários anos de sua criação, continua sendo a base para a criação de páginas web.


Além dela, há a linguagem JavaScript que adiciona interação a página e o CSS que controla a apresentação de vários documentos em um só.


Logo abaixo você verifica um código de uma página padrão:

<!DOCTYPE html>
<html lang="pt-br">

  <head>
     <meta http-equiv="X-UA-Compatible" content="IE=Edge" />
     <meta charset="utf-8" />
     <link rel="stylesheet" type="text/css" href="estilo.css" />
     <title>Minha página web</title>
  </head>

  <body>
   <h1>Título</h1>
     <h2>SubTítulo</h2>
       <p>Parágrafo</p>
  </body>

</html>


Em maio desse ano as organizações W3C (recomenda versão fechada do HTML) e WHATWG (desenvolve o HTML sem versionamento) que são responsáveis pelas webstandards, se uniram em favor de apenas um padrão tanto do DOM (manipulador de objetos do documento) quanto do HTML. Isso significa um salto de qualidade para os novos padrões a serem desenvolvidos, que em muitos casos, tinham conflito.

No HTML5, versão mais recente, foi incluída várias tags (marcações) para representarem semanticamente as informações substituindo, por exemplo, tags como a DIV por NAV, no contexto da navegação:

   De
    <div id="nav">Conteúdo do Menu</div>
   para
    <nav>Conteúdo do Menu</nav>

E também para multimídia:

   De
    <object>
   por
    <audio> e <video>

Essas alterações são fruto de várias discussões e da necessidade de melhorar a estrutura do HTML dando maior significado as marcações (tags) e contribuido para uma página mais leve e fluida, separando a camada de apresentação deixando a cargo das folhas de estilo (CSS) da de estrutura (HTML).

Além disso, temos marcações de inclusão de CANVAS 2D e 3D, para desenhos de graficos através de scripts, sem necessitar de plugin extra como flash. Também temos tags de manipulação de grandes conjuntos de dados como DATAGRID, que permite gerar e ordenar tabelas dinâmicas no navegador cliente. Suporte a novas tags para formulários como OUTPUT, EMAIL, DATETIME com facilidades de validação por JavaScript. Suporte a fórmulas matemáticas (MathML) e gráficos vetoriais (SVG). Novas Interfaces de Programação (API), como arrastar e soltar, trabalho offline, geolocalização, armazenamento de dados (SQLite), comunicação bidirecional (WebSockets), requisição de pagamento (ecommerce), política de conteúdo seguro, dentre outras sendo implementado.


Não vá embora, continue lendo Os Principais Navegadores Web e as Ferramentas para Desenvolvimento Web.

terça-feira, 30 de julho de 2019

GNU/Linux - Algumas distribuições deste ano

O GNU/Linux é um sistema altamente customizável. A própria comunidade altera uma determinada distribuição, termo conhecido como fork, e disponibiliza ao público.

Confira 5 distribuições da familia Debian que tiveram atualizações recentes este ano.



Privacidade

Para aqueles que preferem maior segurança temos:

Tails - O The Amnesic Incognito Live System é uma distribuição baseada no Debian que o usuário instala no pendrive ou DVD e a utiliza para navegar de forma segura. Possui boa documentação em português e a atualização ocorre em média a cada 6 semanas. Contudo, o usuário deve estar ciente da advertência sobre em que casos ele não protege.

Whonix - Trata-se de um sistema operacional baseado no Debian desenvolvido para ser executado dentro de máquina virtual que utiliza-se do Tor e outras ferramentas para garantir anonimato na Internet. A documentação de uso da distribuição é em lingua inglesa.

Após um mês do lançamento da versão estável do Debian, a nova versão do Whonix é disponibilizada para upgrade. Você deve ler o aviso de limitações de segurança para entender o contexto no qual a distribuição deixa a desejar.

Uso Comum

MX Linux vem crescendo ultimamente entre a comunidade, tanto que está em primeiro no site DistroWatch nesses últimos doze meses. É um sistema operacional baseado na versão estável do Debian utilizando a interface gráfica XFCE 4. Possui algumas ferramentas e um painel interessante, é leve e rápido.

Com a jução de usuários da MEPIS, do core do sistema antiX e o envolvimento de sua comunidade, em 2014, surgiu a primeira versão da distribuição MX.

Possui boa documentação em inglês, ferramentas de desenvolvimento e colaboração, que auxiliam o engajamento da comunidade em seu crescimento.


O Q4OS é um sistema operacional baseado na versão do Debian LTS com suporte e atualizações de 5 anos. Para desktops/laptops há duas interfaces: TDE (Trinity Desktop Environment) baseada no fork do KDE 3.5 (também utiliza o fork do Qt3 nomeado para TQt) e a KDE Plasma.

Com foco em usuários migrando do Windows, inclusive de empresas, o ambiente gráfico foi desenhado com a organização similar ao Windows 2000, facilitando assim uma transição suave para o mundo GNU/Linux. A personalização de tema pode ser feita no painel de controle, e também, pode-se instalar o aplicativo XPQ4 que disponibiliza temas mais completos do Windows.

A versão de instalação com ambiente TDE tem por alvo computadores antigos com um mínimo de 300MHz de CPU, 128MB de RAM e 3GB de disco. Já a versão KDE Plasma, possui recursos gráficos mais avançados necessitando de no mínimo de 1GHz de processamento, 1GB de RAM e 5GB de disco.

O instalador permite que o usuário selecione entre três tipos de configuração: apenas o sistema, sistema com poucos aplicativos e sistema com todos aplicativos da distribuição.


Feren OS é uma distribuição britânica, baseada no Ubuntu com a interface Cinnamon que foi concebida para ser um substituto do sistema Windows e MacOS. Na questão de segurança, as atualizações ocorrem em segundo plano, sem intervenção do usuário, garantindo assim, um sistema sempre atualizado.

O diferencial são os temas completos do Feren OS, prontos para Windows, MacOS e alguns GNU/Linux como a interface do Mint e do Chrome OS.


Você acaba de conferir alguns sistemas interessantes com atualizações em 2019. Para mais informações sobre o mundo GN/Linux, leia também o artigo Usar ou Não Usar o Linux.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Informações para comprar um Teclado

Baseado na máquina de escrever, o teclado é o dispositivo de entrada de dados tanto para PCs quanto Notebooks. Possui teclas representando números, letras, símbolos e algumas funções.

O teclado que conhecemos hoje, o padrão QWERTY, foi criado em, 1818.


Os tipos de teclado mais comuns atualmente são os:
  • sem fio que utilizam bluetooth ou infravermelho para se comunicar;
  • com fio no padrão USB.
O padrão brasileiro de teclado é o ABNT-2 sob a norma ABNT NBR 10346:1991 com 107 teclas, e esta insere a tecla Alt Gr no lado direito do periférico que é utilizada para imprimir o 3º caractere de uma determinada tecla como os símbolos ª, °, ¬.

Para quem procura um teclado para jogar, prefira os com tempo de resposta baixo, e a taxa de relatórios (medida em Hz) alta, além disso, deve possuir o recurso anti-ghosting (teclas Q, W, E, A, S, D, Z, X, C, V, espaço, CTRL, seta para cima, esquerda, direita) para evitar que o teclado não funcione quando é apertada diversas teclas ao mesmo tempo.

O design é um quesito pessoal. Há teclados para todos os gostos e preços.

O padrão ergométrico, conforme a Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho – NR 17, ajuda no conforto na hora de digitar. Alguns tem curvas e apoio para as mãos, outros as teclas são mais baixas e macias, além destes, há os com cores e luzes diferenciadas. E também há os com teclas especiais e, com funções programáveis. Ademais há os divididos que embora custem mais caro são melhores devido a não estressar os pulsos.

Os teclados mais baratos são os de membrana (uma camada que preenche todas teclas sendo de silicone ou outro material semelhante), e os mais caros são os mecânico que tem em cada tecla um único switch que regula o aperto da tecla.

Quais os Teclados para PC mais vendidos em 2019, segundo Buscapé
Produto Preço a partir de R$
Multilaser TC126 Alfanumérico 33,91
Multilaser TC142 Alfanumérico 38,02
Logitech MK120 Alfanumérico 76,01
Maxprint 608441 Alfanumérico 94,9
Microsoft Wired 600 Alfanumérico 109,14
Logitech MK220 Alfanumérico 110
Dell KM636 Alfanumérico 119,99
Multilaser TC202 Alfanumérico 144,9
Microsoft Optical Desktop 2000 Alfanumérico 256,01
MadCatz Cyborg S.T.R.I.K.E.5 Alfanumérico 814,99

Fontes
https://rocketz.com.br/store/articles/rocketz-explica-o-que-e-um-teclado-mecanico
https://pt.wikipedia.org/wiki/Teclado_(inform%C3%A1tica)


sábado, 10 de novembro de 2018

Os Principais Navegadores Web

Os navegadores surgiram no início dos anos 90, e vieram para ficar.

A linguagem HTML, inventada em 1993 por Tim Berners-Lee, revolucionou a troca de informações no mundo. A partir daí diversas tecnologias foram agregadas a fim de melhorar a experiência de navegação.

O site W3Counter publica um resultado mensal de uso dos navegadores no mundo. Os dados são gerados pelos sites que utilizam o widget gratuito deles.


As métricas utilizadas no site StatCounter também é coletada por um widget gratuito, ao qual é disponibilizado para mais de 2 milhões de websites no mundo, com mais de 2 bilhões de visualizações mensais.

Verificamos comparando com a Figura 1 que os valores do navegador Chrome são quase iguais por volta de 61%. O Safari tem uma diferença de cerca de 2%. Os demais navegadores possuem diferenças nas suas posições: no statCounter o Firefox aparece em terceiro, porém no W3Counter aparecem o IE e o Edge.




Principais Navegadores


Google Chrome


O Chrome é o navegador do Google®. Ele também faz parte de seu sistema: o Chrome OS. O motor de renderização de páginas foi baseado no WebKit (desenvolvido pela comunidade de software livre) até a versão 27. Depois foi criado um fork do Webkit chamado de blink.

Teve seu lançamento em setembro de 2008, hoje é o navegador mais utilizado no mundo.

O aplicativo se aproveitou dos problemas dos outros navegadores e se destacou no mercado ganhando cada vez mais adeptos, principalmente devido a ter o Google como impulsionador, roubando usuários tanto do Firefox como do IE. O navegador conta com um leitor de PDF e tradutor integrado, além de possuir uma loja com mais de 150 mil extensões.

Atualmente o consumo de RAM é alto para hardwares mais modestos.

Safari


O Safari é o navegador da empresa Apple® Inc, também adotado como padrão em seu sistema operacional á partir do Mac OS X v10.3. Seu motor de renderização de layout é o WebKit baseado no engine KHTML do KDE.


O Safari suporta as tecnologias standards recomendadas pelo W3C como o HTML5 e o CSS3.

O destaque para o navegador vai para a busca inteligente de URL do histórico, e recursos gráficos interessantes.

Na questão privacidade além de aprendizado de máquina que impede o rastreio de dados de navegação por anunciantes, também conta com um isolador (tecnologia Sandboxing) de código malicioso garantindo a execução apenas numa aba evitando o travamento do navegador.

Mozilla Firefox


Firefox, projeto da Fundação Mozilla, é um software gratuito e de código aberto que implementava o padrão Gecko (de exibição de páginas web) até a versão 56. Teve seu surgimento por volta de 2004.


O navegador tem o destaque pelos inúmeros complementos, plug ins, temas e principalmente pela compatibilidade com as versões anteriores, poupando esforços para os desenvolvedores web.

Apelidado de raposa rápida ele foi um navegador bem veloz e estável até a versão 3.6. As versões subseqüêntes tiveram várias críticas devido as instabilidades freqüentes.

Por volta de 2011 com a introdução do Google Chrome no mercado o navegador começou a perder o market share.

Em novembro de 2017 aparece o Firefox Quantum, sendo a versão 57 com o layout remodelado e, engine nova chamada de Quantum ao qual a fundação prometeu ser mais de 2 vezes mais rápida que a versão de 6 meses antes, e consumir menos memória que o Chrome.

Por não possuir apelo comercial, o software parece ser o mais seguro no quesito privacidade.


UC Browser


Do grupo Alibaba, o navegador é desenvolvido pela companhia chinesa de internet móvel UCWeb. Lançado apenas como um browser em Java somente, atualmente está disponível para todas plataformas.


O navegador usa o serviço da nuvem para acelerar o carregamento de páginas.

É considerado por entidades sérias como um navegador inseguro. Para melhorar tal deficiência realizou uma parceira com a TrendMicro em 2013.

Internet Explorer e Edge


O IE é o navegador da Microsoft instalado por padrão nos sistemas operacionais Windows®, e durante muito tempo foi o mais utilizado no mundo.

Surgindo em agosto de 1995, é um programa gratuito que utiliza o padrão Trident de exibição de páginas.

O maior problema desse navegador está na questão da compatibilidade e adoção das standards, que é a maior dor de cabeça para quem projeta um site para as versões de 5 a 8, pois a cada versão renderiza a página de um jeito.

Em face a concorrência e a perda de mercado, a Microsoft melhorou a linha de seu navegador introduzindo as standards recomendadas pelo W3C, além de ser mais estável e mais veloz também possui suporte melhorado ao HTML5 e as CSS3. Essas melhorias foram implementadas a partir da versão 9. A versão 10  do navegador apareceu junto com Windows 8 e teve uma interface redesenhada para o S.O. A versão 11, lançada em outubro de 2013, foi a última atualização do navegador.

O Edge é a nova aposta da Microsoft. Surgiu em Julho de 2015 vindo junto com o Windows 10. Possui os motores EdgeHTML (reformulação do Trident), e o Chakra mecanismo para JavaScript. Apesar de ter vários recursos bacanas ainda não pegou no gosto dos usuários.

Opera



O Opera surgiu em meados de 1994 em um projeto restrito, porém a versão pública só foi liberada em 9 de dezembro de 1996. Ele é um navegador gratuito, leve e rápido.


Desde sua concepção é um navegador que trabalha com os padrões especificados pelo W3C. Seu motor de exibição (renderização) de páginas se chamava Presto até 2013 (para FreeBSD ainda disponível) quando foi alterado para Blink.

Possui um VPN gratuito inserido no navegador ajudando na privacidade dos usuários. Também conta com um bloqueador de anuncios nativo. Um ponto positivo é um recurso de economia de bateria estendendo até 50% o uso do laptop.



Fontes
https://web.archive.org/web/20161015154423/http://www.informaticaeonossoponto.com.br/index.php/tutoriais/navegadores
https://olhardigital.com.br/video/navegadores-de-internet-qual-o-melhor/79477
https://www.opera.com/pt-br
https://www.mozilla.org/pt-BR/firefox
http://pt.ucweb.com

https://www.apple.com/br/safari
https://en.wikipedia.org
https://support.microsoft.com/en-us/help/4028118/windows-run-the-latest-version-of-internet-explorer-11
https://www.google.com/chrome/


domingo, 2 de setembro de 2018

Pesquisa Bolsa x Criptomoedas

Uma euforia tomou conta do mercado de criptomoedas no final de 2017 ao qual o Bitcoin chegou a bater quase 20 mil dólares e o market cap de todas as moedas somadas chegou a 834 bilhões de dólares, segundo o site coinmarketcap.

Todo esse alvoroço ocorreu devido ao início das negociações de contratos futuros na CBOE (Chicago Board Options Exchange) ao qual permitiu a diversos investidores colocarem parte de seu portifólio em cripto sem necessariamente ter a moeda.


Uma imensa massa de iniciantes entrou no mercado sem noção do que estavam investindo, agindo por notícias expeculativas, ajudaram a impulsionar o preço.

Em 17 de Dezembro de 2017, em seu maior pico, o Bitcoin atingiu o valor de 20 mil dólares e possuía um market cap de 336 bilhões e 265 milhões de dólares, isso significa pouco mais de 140% do mercado atual de todas as criptos.

Depois de algumas notícias de regulação das moedas por governos, a desconfiança de alguns grandes investidores fez com que os preços desabassem. Por consequência, as pessoas que haviam investido na moeda acreditando que iriam ganhar dinheiro fácil, viram seu dinheiro evaporando rapidamente, então resolveram sair do mercado fazendo com que os preços caíssem novamente.

Outros dizem que a alta ocorrida em Dezembro de 2017 e essa queda foi e está sendo manipulada, nisso inclui os contratos futuros de Bitcoin, porém não se pode afirmar nada.

Em Janeiro deste ano a CVM (Comissão de Valores Mobiliários do Brasil) proibiu que fundos de investimentos alocassem posições em criptomoeda.

Em Março deste ano houve proibição da propaganda de qualquer tipo de cripto tanto no Google quanto Facebook. Outro motivo da queda.

Em 01 de Setembro de 2018, o market cap de todas cripto moedas somadas caiu para 235 bilhões de dólares. Notamos que em momentos de baixa, o Bitcoin sobe sua porcentagem, atualmente tem 52% de dominância.

Nesses últimos 3 meses (Junho-Agosto), o Bitcoin teve uma variação entre 5900 e 8400 dólares.

varição do bitcoin nso últimos 3 meses
Fonte: CoinMarketCap

Um dos gatilhos esperados para a subida do mercado de cripto, é a entrada do investidor institucional. Por ser um instrumento de alto risco, devido a muito pouca regulação, ainda está sendo estudada por diversas entidades ao redor do mundo (alguns países já estão usando a moeda para pagar funcionários como é o caso do Japão).

Em agosto foi adiada mais uma vez a criação de um ETF do Bitcoin pela SEC (comissão americana de mercado de capitais, equivalente a CVM), e isso fez com que o preço caísse novamente.

Ainda há caminho para o amadurecimento e entendimento do mercado pelas instituições tradicionais, e quando isso ocorrer, aqueles que estiverem posicionados serão muito bem recompensados com o aumento dos preços.

Comparando valores com o Mercado Tradicional

Dizem os especialistas que o Bitcoin quando tinha subido era uma bolha, porém comparando com o mercado tradicional verificamos que não é bem assim.

Ouro - a grama R$158 (dólar vale R$4.05 dia 01/09/2018) - seu mercado, no mundo, equivale a 7 trilhões e 388 milhões de dólares (31 vezes o valor das criptos).

Apple - A empresa, em valor de mercado, atingiu mais de 1.1 trilhão de dólares nesse mês.

Stock market - O mercado de ações global equivale a 73 trilhões de doláres.

Derivative market - uma baixa estimativa do mercado de derivativos global remete a 544 trilhões de dólares num contrato básico nacional podendo chegar a uma alta estimativa de 1.2 quadrilhão de dólares, porém ninguém sabe o tamanho exato.

Imóvel - o valor de todo imóvel no mundo é equivalente a 217 trilhões de dólares.

Mais comparativos em http://money.visualcapitalist.com/worlds-money-markets-one-visualization-2017/


Com relação a moeda fiduciária temos um valor intrínsico referente a oferta e demanda, nesse caso ela vale o que você está disposto a pagar determinante também pelo momento do mercado e país.

No moeda fiduciária, temos o agente regulador chamado de Banco Central. Este, se necessário, imprime mais dinheiro, criando assim inflação e desvalorização seu valor de face. No Bitcoin, por exemplo, não temos isso. Seu número é finito (21 milhões de unidades), então, quanto mais gente o compra maior o preço fica.

O número de brasileiros que investem em criptomoeda superou 1 milhão desde 2017. Uma das exchanges mais populares, o MercadoBitcoin, já possui mais de 1 milhão de clientes.

Continue lendo mais informações no post anterior referente a como comprar de bitcoin.


Bolsa de Valores


Quando é falado sobre economia há uma sopa de letrinhas a serem aprendidas. Na TV, quando vemos falando sobre a bolsa de valores, é focado apenas no índice de cada bolsa. No Brasil, temos o IBOV (ibovespa) dentre outros. Este índice é uma carteira teórica elaborada pela bolsa brasileira e, atualizada algumas vezes ao ano, que contempla de 50 a 70 ações das 441 empresas listadas. Muitos investidores institucionais, por regras internas dos fundos, tanto locais como de outros países, só podem investir em empresas destes índices.

Vemos que temos muito poucas empresas na bolsa comparando com o território e o tanto de gente que temos neste país. A bolsa do Japão (Japan Exchange Group), por exemplo, tem 3634 empresas listadas. Uma das bolsas dos Estados Unidos, a NASDAQ, possui 3424 empresas listadas.

O Brasil é carente de diversas coisas, a educação básica é péssima, tanto que estudamos a vida inteira e saímos da escola sem o mínimo de conhecimento necessário para enfrentar os desafios quotidianos, quem dirá aprender sobre economia e empreendedorismo não é verdade? Então, você deve aprender por sí só ou buscar acessoria com quem entende e não apenas acreditar no que a grande mídia tenta lhe passar. Não seja apenas um mero expectador, se desenvolva e aprenda a ter senso crítico.

O brasileiro ainda acredita que seu banco lhe oferece o melhor para seus investimentos. O banco indica o que é mais rentável para eles e não para seus correntistas. Sem contar as reclamações contra os serviços mal prestados. O banco central tem um ranking de reclamações dos clientes contra os bancos organizados ao qual pode ser útil para você na hora de dedicidir o menos pior.

De acordo com os dados da bolsa brasileira (B3), o número de CPFs registrados em 31/07/2018, são de apenas 715 mil 420, sendo 75% homens e quase 22% mulheres, dentro os quais cerca de 60% possuem mais de 55 anos, o restante 2.9%, são PJ, com 21 mil e 361 registros.

Quando verificamos o número de clientes dos grandes bancos, segundo o banco central, conforme gráfico abaixo, notamos uma diferença enorme comparando com quem investe na bolsa.

Número de correntistas dos grandes bancos segundo a fonte Banco Central - setembro 2018 - gráfico elaborado pelo autor do blog
 Fonte: Banco Central

No primeiro semestre de 2018 a B3 (bolsa brasileira - formada pela ex-Cetip e BMF&Bovespa) teve um lucro líquido corrente de 1.3 bilhão de reais. No primeiro trimestre de 2018 teve lucro líquido corrente de 448.2 milhões de reais. Quando comparamos com os lucros dos bancos, o resultado não é tão significante. Itaú, Santander, Bradesco e Banco do Brasil juntos, neste primeiro trimestre, lucraram mais de 16 bilhões de reais. Porém quando analisamos pelo número de clientes a bolsa é mais rentável que os bancos.



sábado, 1 de setembro de 2018

Proteja-se de diversas pragas da internet

Mesmo com grande parte da população tendo acesso à informática, a grande maioria não entende que seus dados devem ser protegidos.

Seu sistema operacional fica exposto a diversos tipos de invasões porque diariamente são encontradas vulnerabilidades que podem comprometer o funcionamento do computador ou smartphone. Nesse caso a atualização tanto do sistema quanto dos aplicativos garantem um mínimo de proteção.



As pessoas talvez por falta de instrução ou desconhecimento não se aprofundam sobre o assunto deixando seus dados inseguros. Este artigo visa ser objetivo apresentando alguns programas úteis para seu computador.

O Windows® é o sistema operacional mais utilizado no mundo justamente pela sua facilidade. A maioria dos códigos maliciosos, incluindo vírus, adwares, spywares e rootkits são distribuídos pela internet com alvo neste sistema. Conheça um pouco sobre cada tipo e uma possível solução.

Vírus - são pequenos programas que podem executar várias tarefas, e dentre elas, excluir arquivos importantes do sistema ou dados do usuário. Para proteção recomedo a utlização de software antivírus gratuito Avira ou Avast.

Adwares - são programas, normalmente gratuitos, que instalam outros pequenos programas e que normalmente tem publicidade embutida. Para proteção recomedo a utlização de software SpyBot.

Spyware - são pequenos programas que tem o objetivo de monitorar o que você faz em seu computador e envia esses dados a quem o programou. Para proteção recomedo a utlização de software SpyBot.



Outros tipos - mesmo com a proteção dos dois programas informados acima, seu computador não está seguro, pois podem ocorrer invasões em que os softwares não detectem. O último ítem da lista de proteção é o firewall. Ele tem a função de bloquear a entrada de 'coisas' desconhecidas da Internet, e perguntar ao usuário o que fazer. Para proteção recomedo a utlização de software Comodo Free Firewall ou ZoneAlarm Free Firewall.

Para quem acha que tem muitos programas para instalar, você pode optar pela opção gratuita Comodo Internet Security.

Note que coloquei softwares gratuitos, mas se você quiser pagar por uma solução recomendo o Kaspersky Internet Security, a empresa é bem conceituada no mercado. Saiba um pouco sobre a empresa em Kaspersky A Empresa.

Separei alguns vídeos interessantes que lhe ajudarão no entendimento sobre o assunto.


Navegar é preciso


Os Invasores


Spam


A Defesa


Em suma, há muitos tipos de ataques na Internet, e portanto é necessário pelo menos tentar minimizar qualquer tipo de ataque por meio da informação. Conhecer as pragas virtuais e como se proteger é fundamental. Espero que tenha sido esclarecedor.

Quer conhecer mais sobre antivírus? Acesse virusnao.com.br.

sábado, 4 de agosto de 2018

Dicas para a escolha de um Smartphone

Os Smartphones estão cada vez mais sofisticados, e diante de tantas opções e fabricantes, fica difícil selecionar algum, principalmente se o consumidor não possui um mínimo conhecimento em tecnologia.

O primeiro ponto a ser verificado é o sistema operacional e sua versão (prefira os que vem com as mais atuais), em segundo, o tamanho da tela - os mais recentes possuem telas iniciando em 5.5 polegadas. Em terceiro, o espaço em disco, no mínimo 32GB é necessário para não ter problemas com instalação de aplicativos. Em terceiro, a memória deve possuir pelo menos 3GB.


O processador dependendo do tipo de funcionalidade que você precisa, pode oscilar de 4 a 10 núcleos. Para jogos são melhores os com mais núcleos.

A tela do aparelho pode ser do tipo IPS LCD, AMOLED e SUPERAMOLED. Cada uma tem o seu pró e contra. Mas o que realmente fará a diferença é  a quantidade de PPI. Quanto maior melhor.

Para quem gosta de tirar fotos, preste atenção na qualidade da lente. Nesse caso há dois tipos de sensores: CMOS e o CCD. O do tipo CMOS é mais recente - a partir do ano 2000. Outro ponto é o tamanho da abertura (medida em f/numero), e quanto menor o número melhor.

Diferentemente de fotos, a resolução na gravação de vídeos é relevante, portanto, escolha as que são no mínimo HD (1280 x 720 linhas).

Outro detalhe, antes de adquirir seu novo produto, pesquise e pergunte nas lojas e em sites, inclusive no Youtube, e fóruns, se alguém já teve problema com o aparelho. Consulte o site Reclame Aqui, por exemplo.

Para comparar recursos você pode usar o site do Tudo Celular.

Continue navegando: Marketing Share dos Smartphone no Brasil.

Fonte: https://tecnologia.ig.com.br/dicas/smartphones/2017-09-21/qualidade-camera-do-celular.html